Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





contador de visitas online

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jaime_Fernandes

Crónica

Ainda ouço o Jaime

Jaime Fernandes tinha muitos amigos mas isso só me desconsola mais ainda: somos muitos a sofrer a dor tremenda de nunca mais podermos falar com ele, abraçá-lo, dizer-lhe o muito que lhe devemos, contar-lhe o amor que temos por ele e que agora estamos a pagar como gente grande.

O Jaime era um adulto. Era um adulto brincalhão que ensinava tudo o que sabia – sobre rádio, sobre música, sobre a maneira de ser dos seres humanos – sem que nós déssemos pela lição. Ele deixava-nos sermos nós. Não queria discípulos. Não deixava criar obrigações.

O Jaime era um luz da liberdade e da expressão radiofónica e musical. Fazer programas de rádio com ele era delicioso porque ele fazia tudo por amizade, mas sempre com o mais apurado profissionalismo.

O Jaime era radiante, risonho, civilizado. Tinha o dom – porque ultrapassava qualquer mera generosidade - de aceitar as pessoas como elas eram, cada uma com as suas pancadas. Não era um perfeccionista. Os perfeccionistas são uns chatos. O Jaime era um realizador, produtor, autor e locutor que facilmente atingia a perfeição mas vivia bem com as imperfeições dos outros, corrigindo-as com a polidez de execução, calma e culta, que fazia parte do estilo dele.

Fazia tudo por amizade e por amor. O Jaime tinha o coração tão grande que cabiam lá o amor imenso que tinha pela mulher Maria Dulce e pela filha Rita e os amores todos pela família, pelos amigos, pela música, pela rádio, pelo trabalho, pelos colegas, pela vida. Sofreu com Maria Dulce a pior das dores quando o filho Miguel morreu com 20 anos, de repente como agora morreu o Jaime. Sofreu mas nunca virou a cara à vida, às pessoas que ajudou, às coisas, nobres e inúmeras, pelas quais lutou.

O Jaime era um vencedor discreto e corajoso, uma grande alma, sensível e afectuosa, que se comovia facilmente. O sorriso, o riso e os olhos e a voz do Jaime enchem-me agora de saudades, à medida tristíssima que se vão transformando em memórias, lágrimas, meras palavras e na coisa que lhe era mais estranha: o silêncio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:56

mytaste.pt


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Síguenos en Twitter

Siguenos en Facebook


contador de visitas